Sementes
Fazenda da Onça através da sua marca SEMENTES DE CAFÉ ALVORADA, registrada no ministério da Agricultura segue os mais criteriosos métodos e procedimentos de produção e comercialização de sementes de café a mais de 30 anos.
Após uma avaliação a campo a fim de determinar os pés que irão ser colhidos para sementes, o café no estado de cereja é encaminhado para o setor de lavagem e descascamento. Lavado e descascado o café é destinado a tanques cheios de água induzido a uma fermentação desejável com Ph controlado onde é ocorre a retirada de mucilagem e os grãos que boiam. Após esse processo de fermentação, as sementes são secas a sombra, e destinadas ao processo de escolha, onde um delicado serviço realizado por mulheres é feito a fim de retirar grãos redondos e com qualquer tipo de defeito físico.

Mudas
A Fazenda da Onça possui um canteiro climatizado com capacidade de 150 mil mudas onde são plantados café e arvores nativas. O viveiro é suspenso a um metro de altura com nebulizadores por onde é feita parte da adubação, as mudas são plantadas em substrato agrícola, permanecendo no viveiro por cerca de 180 dias. Durante o processo de preparo de mudas ocorrem diversas seleções a fim de que seja destinadas para plantio definitivo somente as mudas mais vigorosas.

Preparo de Terreno e Plantio
Tanto os plantios onde envolve revolvimento do terreno há uma preocupação muito grande com erosão. Para evitar a lavagem do terreno, todas as lavouras são plantadas em nível. O sulco, onde serão plantadas as mudas definitivamente é preenchido com o composto orgânico feito pela própria fazenda.
A época de plantio vai de meados de setembro a inicio de novembro, e de meados de fevereiro a inicio de abril a fim de evitar dias com maior incidência de raios solares.

Tratos Culturais
Colheita
A colheita é iniciada a partir do mês de maio, assim que a planta apresentar 85% de grãos maduros .
O café é colhido no pano, para que não se misture o café da árvore com aquele café que caiu no chão. O recolhimento do café é diário evitando fermentação. Somente depois de realizada toda a colheita em pano, o café que sobrar no chão é varrido e lavado separadamente evitando qualquer tipo de mistura.

Lavagem e Secagem
A lavagem e a secagem são os processos mais delicados da produção de cafés finos. O café recolhido das lavouras é encaminhado para o setor de lavagem, onde ocorre a separação do café bóia. O café cereja juntamente com o café verde, separados anteriormente no lavador, são encaminhados para o setor de descascamento, onde ocorrerá a separação de todo o café verde, e simultaneamente o processo de descascamento do café cereja.
Desta forma teremos três lotes de café distintos. O de café cereja e o café bóia, ambos de altíssima qualidade, separados do café verde, inferior em qualidade.
A secagem é iniciada em terreiro. Nessa etapa o café deve ser revolvido pelo menos 10 vezes ao dia a fim de enxugar regularmente o máximo possível, evitando desta forma fermentações indesejáveis altamente prejudiciais a qualidade da bebida. Posteriormente o café é destinado aos secadores rotativos, que por indução gradativa de calor secará o lote até atingir 11% de umidade, quando será encaminhado para as tulhas, e descansará até a hora do benefício.

Benefício
No benefício ocorre todo o preparo do café que sairá da fazenda. O café é retirado, das tulhas e encaminhado primeiramente para o catador de pedras para que se retire qualquer impureza física do lote. Posteriormente é destinado ao descascador, e retirada toda a casca do café. Somente após descascado o café é levado para o classificador, que separa os grãos por tamanho, a fim de obter homogeneidade. Teremos então cafés separados por tipo (bóia, cereja e verde) e por tamanho peneira 18, 17, 16...
A partir desse momento o café é ensacado e levado para os armazéns, onde na hora da venda será passado em catadeiras eletrônicas retirando definitivamente todos os grão defeituosos.
Todo esse processo descrito, além de suas qualidades naturais, fazem do nosso café um dos melhores cafés do Brasil.